Na ausência do Estado, surgem comunidades construídas a partir da necessidade de compartilhar para sobreviver. No entanto, não as queremos identitárias – mas polifônicas e feitas de diferenças, como o Carnaval

Fonte: Um Comum subversivo, caprichoso e vulgar – Outras Palavras