solidão   aqueço as mãos ao lume da ternura inventada em cada gesto   assim preencho o vazio o não haver onde carícias

Fonte: crónicas da xávega (347) – ahcravo gorim Blog